Blog Post

PROPINA DE U$ 40 MILHÕES: PDT pede ao STF que derrube decisão de Janot e investigue Temer na Lava Jato

PROPINA DE U$ 40 MILHÕES: PDT pede ao STF que derrube decisão de Janot e investigue Temer na Lava Jato

Partido entra com ação direta de inconstitucionalidade contra decisão do procurador-geral de livrar presidente de responder a inquérito em razão de os indícios existentes contra ele remeterem a atos anteriores ao exercício do mandato

O PDT entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo que o presidente Michel Temer (PMDB) seja investigado na Operação Lava Jato. O presidente do partido, Carlos Lupi, e o seu vice, André Figueiredo (CE), contestam a decisão da Procuradoria-Geral da República de livrar Temer de responder a inquérito em razão de os indícios existentes contra ele remeterem a atos anteriores ao exercício do atual mandato. O peemedebista foi citado mais de 40 vezes nas delações premiadas.

Do Congresso em Foco

Na ação direta de inconstitucionalidade, o PDT argumenta que a interpretação de Janot contraria a jurisprudência do STF que já decidiu, no passado, que a imunidade processual prevista na Constituição não inclui os inquéritos – considerados atos pré-processuais para apuração de infrações penais comuns –, mesmo aqueles que não estejam relacionados ao mandato presidencial.

O partido cita, como exemplo, dois precedentes envolvendo o então presidente Fernando Collor de Mello. Os pedetistas ressaltam que o Supremo foi claro ao reconhecer a legitimidade da investigação policial ou da investigação criminal promovida pelo Ministério Público contra o então chefe de governo e Estado.

Em seu despacho, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, argumentou que a Constituição proíbe a instauração de inquérito para investigar infrações penais comuns não vinculadas ao exercício do mandato presidencial em vigência.

Em pedido encaminhado ao relator da Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin, a PGR afirma que Temer participou de reunião com os ex-presidentes da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), em 2010, para tratar de vantagem indevida a ser paga pela Odebrecht a agentes públicos da Petrobras, em troca de ajuda à empreiteira em licitações na estatal.

Para o PDT, a interpretação de Janot configura “flagrante inconstitucionalidade”. “Impedir o exercício da atividade investigatória é efetivamente absolver e tornar impune um entre os demais cidadãos”, afirma André Figueiredo. O partido pede que seja declarada inconstitucional a manifestação de Janot e que, em consequência, seja aberta investigação contra o presidente.

Segundo o deputado, só com as investigações será possível preservar eventuais elementos de provas indispensáveis à comprovação de crimes que Temer, eventualmente, possa ter cometido.

Reunião

A Odebrecht apresentou à Lava Jato extratos atribuídos a pagamento de propina associada por delatores a uma reunião com o presidente Michel Temer em 2010. De acordo com a Folha de S.Pauloos valores superam os US$ 40 milhões que, segundo ex-executivos da empreiteira, foram acertados em encontro com o hoje presidente, em seu escritório político na capital paulista. Os documentos entregues chegam a US$ 54 milhões, e, com a soma de planilhas anexadas, atingem a cifra de US$ 65 milhões.  O presidente nega ter pedido ou recebido propina ou vantagens indevidas.

Conforme os delatores da Odebrecht, a propina era contrapartida a um contrato internacional da Petrobras, o PAC-SMS, que envolvia certificados de segurança, saúde e meio ambiente em nove países onde a estatal atua. O valor inicial do negócio era de US$ 825 milhões. A maior parte dos repasses foi depositada em contas de operadores no exterior por meio de empresas offshores em paraísos fiscais, relata a Folha.

Odebrecht entrega extratos ligados a reunião com Temer para tratar de propina

About Waldemar Ter

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *