Blog Post

LIQUIDAÇÃO! Compra de medidas provisórias no Congresso continuou mesmo depois da Lava Jato

LIQUIDAÇÃO! Compra de medidas provisórias no Congresso continuou mesmo depois da Lava Jato

Delator cita repasses de R$ 22 milhões para Renan e Eunício em troca de apoio a propostas de interesse do grupo. Rodrigo Maia, Romero Jucá, Mantega e Palocci também são apontados como beneficiários do esquema

Renan e Eunício, o ex e o atual presidente do Senado, são acusados de ajudar a empreiteira no Congresso em troca de dinheiro

Do Congresso em Foco

Ex-executivos da Odebrecht contaram ao Ministério Público que pagaram propina, fizeram doações oficiais ou por meio de caixa dois para favorecer a empresa com a aprovação de leis no Congresso. A prática, segundo os delatores, continuou mesmo depois do início das investigações da Operação Lava Jato. Entre 2005 e 2015, a empreiteira pagou para influenciar pelo menos 20 atos do Legislativo, como a aprovação de medidas provisórias. As informações são da Folha de S.Paulo.

Em seu depoimento, o ex-diretor Cláudio Melo Filho disse que a contribuição para o governador de Alagoas, Renan Filho (PMDB), na campanha de 2014, era, em parte, “contrapartida para o forte apoio (de seu pai, o então presidente do Senado, Renan Calheiros) à renovação dos contratos de energia, que culminou na edição” da MP 677, já em 2015.

Cláudio disse que participou de reunião na residência oficial da presidência do Senado durante o trâmite da medida provisória “para reforçar a importância do tema para a empresa”.

Segundo o delator, enquanto ele fazia a interlocução com o Congresso, cabia ao presidente da companhia, Marcelo Odebrecht, articular com o Executivo por meio, principalmente, dos ex-ministros da Fazenda Guido Mantega e Antonio Palocci.

O grupo tentava influenciar a elaboração de normas ligadas à tributação e à renegociação de dívidas com o governo. Cláudio Melo disse ter repassado R$ 22 milhões a Renan e ao seu sucessor, Eunício Oliveira (PMDB-CE), entre 2005 e 2015, para aprovar medidas de interesse do grupo. Renan era chamado por ele de “resolver da República no Congresso” devido à sua eficiência.

“Você aprovava uma coisa no Ministério da Fazenda e aí ia pro Congresso. Quando o pessoal no Congresso percebia que tinha interesse das empresas por trás, você sempre tinha que assumir um compromisso”, disse Odebrecht aos investigadores.

O delator afirmou, ainda, que pagou para o senador Romero Jucá (PMDB-RR) e para o atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), entre outros, para “comprar” e acompanhar a MP 613, de 2013.

A medida provisória criou o programa que desonerou a compra de matérias primas por indústrias químicas, atendendo a interesses da Braskem. Todos os acusados negam ter recebido dinheiro de origem ilícita da empresa ou ter atuado para favorecer o grupo no Congresso.

Leia a reportagem da Folha

Mais sobre a Operação Lava Jato

About Waldemar Ter

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *